Veja o que é normal seu bebê falar em cada mês: dos 0 aos 12 meses

Confira com quantos meses o bebê começa a falarShutterstock

Veja o que é normal seu bebê falar em cada mês: dos 0 aos 12 meses

Confira com quantos meses o bebê começa a falar

Saiba com quantos meses o bebê começa a falar as primeiras palavras

A comunicação do bebê começa muito antes das primeiras palavras. Saiba mais sobre esse assunto a seguir

Você normalmente fica se perguntando com quantos meses o bebê começa a falar? Saiba que, antes de usar uma linguagem verbal, ele se comunicará com você e com outras pessoas das mais diferentes maneiras. Quando for bem pequeno, ele se expressará principalmente por meio do choro, até quando crescer e ser capaz de pronunciar as primeiras palavras.

É possível aprender a transmitir informações e emoções à criança da melhor forma por meio de estímulos. Você pode entender quais são os comportamentos mais comuns conforme a idade do seu bebê e saber identificar quando ele manifestar alguma dificuldade que merece atenção.

Neste artigo, detalharemos como é a comunicação de 0 a 12 meses de vida, além das principais causas para atraso na fala e quais são os tratamentos indicados. Confira!

Com quantos meses o bebê começa a falar

O primeiro ano da criança costuma ser recheado de mudanças e aprendizados — para ela e para os pais. Pensando nisso, segmentamos esse período para explorar mais detalhadamente essas transformações que ocorrem ao longo do seu desenvolvimento.

De 0 a 3 meses

Desde o nascimento e ao longo de muitos meses, a primeira forma de linguagem utilizada pelos pequenos será o choro. Porém, com o passar do tempo, a comunicação da criança será ampliada e deixará de ser restrita à choradeira. Por volta de 1 mês, os bebês já começam a responder diante do som da sua voz.

Eles podem ficar mais calmos ao ouvir a voz do papai ou da mamãe, sorrir ou ficar animados, movimentando os bracinhos e as perninhas. Eles também passam a sorrir para os pais, mas podem demorar um pouco mais para fazer isso diante de pessoas que não são tão próximas. Nessa idade, provavelmente, o bebê não sorrirá diante de estranhos.

Aos 2 meses de vida, as crianças já começam a descobrir a habilidade de vocalizar. Então, eles passam a fazer sons como “ah-ah” ou “ooh-ooh”. O seu bebê vai falar com você por meio de uma grande variação de sons. Ele também sorrirá para você, aguardará que você faça o mesmo em resposta e poderá imitar algumas expressões faciais dos pais.

Como estimular a fala nessa fase

Nesse momento, a melhor maneira de estimular a fala do bebê é se comunicar com ele. Fale, leia histórias e cante para o pequeno. Além disso, é importante responder de forma entusiasmada aos sons e sorrisos. Também é recomendado nomear os objetos para os quais o seu bebê olha.

Por fim, repita sons que o seu bebê emitir, espere até ele emitir outros sons e repita-os também. Dessa maneira, você ensina para ele lições valiosas sobre o tom e ainda a se revezar quando conversa com outra pessoa.

Quais sinais são preocupantes

Converse com o pediatra caso a criança chore por períodos muito longos e não se acalme de forma nenhuma. Ainda será válido falar com o médico se, ao final desses primeiros meses, ele não atingir os seguintes marcos de desenvolvimento:

  • prestar atenção aos rostos e ao que está à sua volta;
  • sorrir ao som da voz dos pais;
  • sorrir como uma forma de se comunicar com os pais, ou seja, uma espécie de contato social;
  • emitir sons quando falam com ele;
  • imitar alguns sons e expressões faciais.

De 4 a 7 meses

A gama de sons e expressões faciais do seu bebê continuará a crescer, com muita risada e balbucio. Ele também passará a imitar sons e, assim, desenvolverá uma habilidade que é importante para aprender a conversar.

Entre os 4 e 7 meses, as crianças começam a experimentar os sons que conseguem emitir com a boca. O seu pequeno passará ainda mais tempo balbuciando e aprendendo a imitar barulhos. Essas são as suas primeiras tentativas de falar e ele deve ser encorajado pelos pais a fazer isso.

“Quando começa a balbuciar, dar gritinhos e emitir as primeiras vocalizações, tem o início da etapa pré-linguística, vindo a seguir um período de monólogos, a repetição das vocalizações, acompanhado de respostas gestuais expressando satisfação e agrado”, explica Jose Gabel, secretário do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Se você prestar atenção, perceberá que o tom da voz emitida pelo seu bebê ficará mais alto ou mais baixo, como se ele estivesse fazendo uma pergunta ou dando uma declaração.

Como estimular a fala nessa fase

Uma boa maneira de estimular a fala da criança nessa fase é reproduzir os mesmos sons que ela fizer. Os pais podem imitar os “bah” e “ah-goo”. Depois, podem falar palavras que tenham um som semelhante ao que o bebê emitiu.

Também é indicado conversar com ele e deixar algumas pausas para que ele possa responder com os seus balbucios. Faça perguntas para ele e recompense de forma entusiasmada ao som que ele emitir.

Você pode apresentar à criança palavras simples que são aplicadas no cotidiano. Dessa forma, é recomendado nomear pessoas conhecidas, objetos e atividades. Nessa idade, as crianças conseguem entender as palavras antes mesmo de conseguirem dizê-las.

Além disso, quando for falar com ele, faça isso de forma mais lenta e dê ênfase para algumas palavras. Por exemplo, ao mostrar um brinquedo para o seu pequeno, pode dizer: “você quer o brinquedo? Este é o seu brinquedo”.

Quais sinais são preocupantes

Ao completar 7 meses de vida, se o seu bebê não fizer as seguintes coisas, você pode levar essa preocupação ao pediatra:

  • responder ao próprio nome;
  • responder aos sons externos fazendo os seus próprios sons;
  • imitar barulhos.

De 8 a 12 meses

Nessa idade, o seu bebê se prepara para começar a falar as primeiras palavras de fato. Assim, ele começará a balbuciar sílabas, como “ga”, “ba”, “da” etc. A criança também pode dizer o seu primeiro “mamãe” ou “papai”, que provavelmente será algo como “mama” ou “papa”.

Ao ver como os pais ficam animadas com isso, as crianças se sentirão estimuladas e falarão ainda mais. Eles também podem ser comunicar ao apontar para objetos, fazendo “sim” ou “não” com a cabeça. No final do primeiro ano, o seu bebê seguirá pedidos simples, como “dar tchauzinho”.

Como estimular a fala nessa fase

Os pais podem continuar fazendo o que já realizavam com a criança, como conversar com ele, ler e responder aos seus sons. “Os pais precisam manter o hábito de se dirigir ao bebê como uma outra pessoa que já tem capacidade de compreender o significado de muitas conversas. Também conte histórias utilizando livros curtos e com várias figuras”, afirma o pediatra Renato Santos Coelho, presidente do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul.

Além disso, você pode apontar para os objetos como forma de incentivá-lo a nomear as coisas. Nesse caso, use as mãos para indicar algum objeto e pergunte ao seu bebê o que é. É importante nomear objetos ao longo do dia a fim de reforçar a mensagem de que tudo tem o seu próprio nome.

Do leite tomado durante a manhã a um urso de pelúcia para brincar à noite, os objetos familiares nomeados devem ajudar o seu bebê a armazenar essas informações para o dia em que conseguirem formar as palavras certas.

Quais sinais são preocupantes

Pode ser uma indicação de alerta quando a criança, aos 12 meses de vida, não emite nenhum som ou nenhuma palavra. “Isso não é necessariamente sinônimo de patologia, mas uma investigação cuidadosa se faz necessária, para que se verifique o que está causando aquele sintoma ou atraso de uma habilidade que já deveria ter sido adquirida”, diz o presidente do Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria, Ricardo Halpern.

Nesta fase, é esperado que o bebê:

  • responda a um “não”;
  • obedeça a comandos simples;
  • use gestos comuns, a exemplo de apontar para um objeto e fazer “não” com a cabeça.

Quais as causas para atraso na fala

O papai e a mamãe devem prestar atenção e tomar alguns cuidados para evitar as possíveis causas do atraso na fala em uma criança. É preciso ter cautela tanto com o excesso quanto com a ausência de estímulos. Além de conversar, dar nomes a objetos e ler com o bebê, é importante não falar demais para também dar oportunidade a ele de se expressar.

A maneira como você alimenta o seu pequeno também deve ser outro ponto de cautela. Se os alimentos forem introduzidos em uma consistência muito amassada, em que a criança não precise mastigar, ela poderá desenvolver problemas de aprendizado da fala.

Também é possível que a criança demore para falar devido a condições como o déficit cognitivo. É preciso que você observe os aprendizados do seu bebê e se ele consegue prestar atenção aos estímulos oferecidos. Os pais devem perceber se o pequeno apresenta alguma dificuldade de concentração e demora para sentar e andar, por exemplo.

Uma das causas de dificuldade e atraso na fala das crianças é o autismo, que afeta a comunicação não verbal e verbal. O transtorno é caracterizado pela deficiência na compreensão da linguagem e na utilização da imaginação com jogos simbólicos. Também é possível observar problemas de socialização e um tipo de comportamento restrito e frequente na criança com autismo.

Quais tratamentos são indicados para atraso na fala

Caso você tenha questionamentos a respeito do desenvolvimento da linguagem do seu pequeno, não deixe de procurar um especialista para avaliar a situação. Você precisará falar com o pediatra do seu bebê sobre a sua preocupação e, além disso, pode ser necessário buscar ainda um neuropediatra.

Os pais podem procurar imediatamente um fonoaudiólogo que tenha especialização no tratamento infantil para lidar com os eventuais transtornos no desenvolvimento da fala e da linguagem do seu bebê. Não há uma idade mínima para buscar esse exame, porque o profissional pode avaliar o processo de evolução ainda em crianças menores.

Procurar um tratamento personalizado é importante porque, além de transtornos mais conhecidos, a exemplo do autismo, o pequeno também pode apresentar condições frequentes, porém pouco abordadas. Alguns desses problemas são o Atraso Motor de Fala e a Apraxia de Fala na Infância.

Por isso, não deixe de ter atenção aos sinais que a criança apresenta durante o seu crescimento. O papai e a mamãe devem adotar as melhores práticas para que ele desenvolva efetivamente a fala. É indicado acompanhar cada fase de evolução do seu pequeno para verificar se está de acordo com o que é esperado.

Se você gostou de entender com quantos meses o bebê começa a falar, assine a nossa newsletter para saber mais sobre os cuidados com ele.



from Bebê Mamãe https://ift.tt/2CICfcH